ajuda

A invisibilidade humana

by / 2 Comments / 0 View / 19 de março de 2012

Carl Gustav Jung, criador da psicologia junguiana escreve em uma de suas obras: “Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda”. Do ponto de vista da Psicologia tem fundamento já que o homem, antes de tudo, precisa conhecer a si próprio para aprender, rever conceitos, assimilar…Mas e do ponto de vista social? Olhar para fora e sonhar é “dar às costas” à realidade. É não enxergar as dificuldades que socialmente e cruelmente construímos.
O homem parece estar dividido em sub grupos, sub raças, subespécies. Negamos nossas semelhanças e igualdades genéticas que nos classificam a todos como Homo sapiens e criamos “escalas sociais” que nos diferenciam através do poderio econômico. E por que digo isto? Porque nada pode ser mais cruel do que olhar o outro e não enxergá-lo como sujeito, como sujeito igual a nós, de igual valor social, afetivo, cultural. É assim quando deixamos de ver um morador de rua, uma criança explorada ou qualquer outra pessoa em situação de vulnerabilidade. Nada pode ser mais cruel do que convivermos com o sofrimento do outro com total descaso, total conformismo, total aceitação.
E vamos assim, dessa forma reproduzindo nosso olhar, o olhar que “deixa de ver” aos nossos filhos que talvez venham a fazer o mesmo com os filhos deles e assim sucessivamente. O que é preciso então? É preciso olhar com “olhos de ver”, ver e se indignar, se indignar e reagir! Quem sabe dessa forma aquela frase escrita a cerca de 200 anos a.C por Tito Macio Plauto e popularizada por Thomas Hobbes muitos séculos depois onde diz: “O homem é o lobo do homem” comece finalmente a ser reescrita, às avessas.

Ateia humanista secular, ex-missionaria cristã, cinéfila, apaixonada por arte, amante de literatura e filosofia, leitora compulsiva, autora do blog Vivendo e Construindo. Graduanda em Letras-Português pela Universidade Federal do Pará, Coordenadora da Aliança Estudantil Secularista UFPA, Diretora de movimento estudantil da Liga Humanista Secular do Brasil, Construindo a Assembleia Nacional dos Estudantes - Livre, Militante da Juventude PSTU (Socialista, SIM!).

2 Comment

  1. “Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda”… Acho que Carl Jung disso isso no sentido de que cada pessoa que olhar para fora vai enxergar o mundo de uma forma diferente. A realidade dela não vai ser a tua realidade e vice-versa. Mas quando tu olha pra dentro tu só tem a tua própria visão, só tu sabe a tua verdade, tuas vivências… e por aí vai.

    • Talvez seja em outro sentido…se eu olho pra fora, eu encaro as coisas como se os problemas e os erros estivessem apenas nos outros, não em mim. A partir do momento que olho para dentro, posso ver o que faço de errado e porque as vezes minha vida e as coisas que eu faço, não são tão boas quanto a vida dos outros, por exemplo.
      Cabe a interpretação de cada um e foi isso que eu sempre entendi…ao invés de reclamar e sempre pensar que a grama do vizinho é mais verde, eu olhe para dentro e veja o que de "errado" eu faço ou "certo" deixo de fazer, para obter os mesmos resultados.

Your Commment

Email (will not be published)